Google+ Followers

sábado, 22 de maio de 2010

Caminhada



Sei que minha caminhada tem um destino e uma direção, por isso devo medir meus passos, prestar atenção no que faço e no que fazem os que por mim também passam ou pelos quais passo eu...
Que eu não me iluda com o ânimo e o vigor dos primeiros trechos, porque chegará o dia em que os pés não terão tanta força e se ferirão no caminho e se cansarão mais cedo...
Todavia, quando o cansaço houver, que eu não me desespere e acredite que ainda terei forças para continuar, principalmente quando houver quem me auxilie...
É oportuno que, em meus sorrisos, eu me lembre de que existem os que choram, que, assim, meu riso não ofenda a mágoa dos que sofrem: por outro lado, quando chegar a minha vez de chorar, que eu não me deixe dominar pela desesperança, mas que eu entenda o sentido do sofrimento, que me nivela, que me iguala, que torna todos os homens iguais...
Quando eu tiver tudo, farnel e coragem, água no cantil, e ânimo no coração, bota nos pés e chapéu na cabeça, e, assim, não temer o vento e o frio, a chuva e o tempo.
Que eu não me considere melhor do que aqueles que ficarão atrás, porque pode vir o dia em que nada terei mais para minha jornada e aqueles que ultrapassei na caminhada, me alcançarão e também poderão fazer como eu fiz e nada de fato fazer por mim, que ficarei no caminho sem concluí-lo...
Quando o dia brilhar, que eu tenha vontade de ver a noite em que a caminhada será mais fácil e mais amena; quando for noite porém, e a escuridão tornar mais difícil a chegada, que eu saiba esperar o dia como aurora, o calor como bênção...
Que eu perceba que a caminhada sozinho pode ser mais rápida, mas muito mais vazia...
Quando eu tiver sede, que encontre a fonte no caminho, quando eu me perder, que ache a indicação, a seta, a direção...
Que eu não siga os que desviam, mas que ninguém se desvie seguindo os meus passos...
Que a pressa em chegar não me afaste da alegria de ver as flores simples que estão a beira da estrada, que eu não pertube a caminhada de ninguém, que eu entenda que seguir faz bem, mas que, às vezes, é preciso ter-se a bravura de voltar atrás e recomeçar e tomar outra direção...
Que eu não caminhe sem rumo, que eu não me perca nas encruzilhadas, mas que eu não tema os que assaltam-me, os que embuçam, mas que eu vá onde devo ir e, se eu cair no meio do caminho, que fique a lembrança de minha queda para impedir que outros caiam no mesmo abismo...
Que eu chegue, sim, mas, ainda mais importante, que eu faça chegar quem me perguntar, quem me pedir conselho, e acima de tudo, me seguir, confiando em mim!
(texto de Ponsacini)

domingo, 16 de maio de 2010

Somos o que sintonizamos

“Quando a sua aura é um raio de luz, ela se torna um campo de força, com a capacidade de transformar a energia de qualquer pessoa com quem você entre em contato e, consequentemente, transformar o mundo!" (James Van Praagh)

Muito mais do que possamos imaginar, as energias do nosso pensamento influencia a nossa vida, a vida de nossos semelhantes e o ambiente onde vivemos. Somos antenas de captação e de transmissão de energias pelo espaço à nossa volta, e o nível de vibração desta energia está na razão direta dos níveis da nossa qualidade de vida e das relações interfamiliares e pessoais. É preciso ter cuidado   com o que pensamos e falamos.
Com o avanço científico e tecnológico, cada vez mais se estuda, diagnostica e teoriza sobre energias no complexo humano, como o pensamento emite energias, como se sintoniza e absorve energias do ambiente, etc.
"O ser humano absorve energias das mais diversas, de forma automática e as metaboliza em sua estrutura energética, que o espiritismo denomina de perispírito. Essa absorção e metabolização ocorre de maneira automática, ou seja, é um processo inconsciente ou transparente que acontece indenpendente da percepção ou decisão involuntária da pessoa", esclarece-nos Carlos A. Parchen, em seu artigo "Pensamento, sintonia e energias".  Segundo o artigo, "por ser um processo automático, a absorção dessas energias está ajustado naturalmente ao padrão energético e vibratório específico do indivíduo", isto é, ao nível vibratório correspondente ao seu estado mental e espiritual do momento. Diz ainda que: "um estado de desequilíbrio no nosso campo mental e espiritual, promove imediatamente um reajuste no nosso sistema energético, o que nos leva também à sintonia com determinada energia”. Se estamos equilibrados, harmonizados, vibrando no bem, nosso "filtro" promove a absorção de boas energias correspondente ao nosso patamar vibratório. Quando estamos desequilibrados, desarmonizados, invigilantes com nossos pensamentos, a situação inverte-se em relação ao nosso patamar vibratório que ajusta-se às energias "ruins", promovendo a assimilação de energias desequilibradas. Por isso, para o nosso bem estar, é necessário a vigilância constante sobre nossa sintonia mental/espiritual no sentido de não nos deixarmos levar pelos pensamentos inadequados, pelas vibrações negativas, pelos sentimentos indignos, pelas emoções descontroladas o que pode, reforçando o nosso desequilíbrio, colocar-nos em contato com seres desequilibrados, causando-nos doenças e desequilíbrios físicos, psíquicos e espirituais".
Completando a sua análise sobre a importância da autovigilância como fator essencial para que a sintonia mantenha-se elevada, Parchen finaliza: "A vigilância para que nosso pensamento, nossa sintonia permaneça sempre elevada, voltada para a prática do bem, do amor e da caridade, permite que, constantemente, fiquemos sintonizados e absorvendo as energias equilibradas, o que reforça nosso equilíbrio e bem estar físico, psíquico e espiritual, trazendo a sensação agradável de estar em sintonia com energias elevadas. Esse é o retorno, a recompensa imediata de quem pratica o amor e a caridade. Traz o prazer em se praticar o bem".
Sobre a aura humana, o norte americano James Van Praagh em seu livro "O despertar da Intuição", aborda o tema com a experiência de quem é médium: "Embora seja quase impossível passar pela vida evitando as energias e os pensamentos de outras pessoas, você pode fortalecer seu campo energético para que nada penetre no seu espaço. Para manter uma aura equilibrada e sadia, é preciso nutrir-se de sentimentos de amor, bondade e especialmente perdão. Quando sua aura é sadia e vibrante, você tambem terá boa saúde, relações agradáveis, equilíbrio emocional e capacidade de se proteger das influências negativas". Ensina-nos como reforçar a nossa aura e ajudar outras pessoas: "A melhor maneira de fortalecer sua aura é em primeiro lugar e fundamentalmente, se aceitando como um ser espiritual. Diariamente faça orações, medite, muitiplique pensamentos e gestos de amor, generosidade, gratidão e respeito por si, pelo universo e por todos os seres vivos. Isso não apenas vai aumentar esse campo de energia eletromagnética ao seu redor, como se expandirá e ajudará a elevar outras pessoas".
Buda dividiu em oito ramos o caminho para a iluminação. No sétimo ramo encontramos o "pensamento correto", que surge quando desenvolvemos as qualidades do desapego, da compaixão e da não-violência. Para o Budismo, elevar a vibração é trilhar o caminho do meio. Evitar os extremos da vida, o prazer desmedido ou o sofrimento inútil. Compaixão irrestrita é a meta do budista, não somente pelos seres humanos, mas por todos os seres vivos.

Finalizando, observamos em todas as abordagens anteriores, independentemente do foco religioso, que o nosso bem-estar depende de nós mesmos. O pensamento criador, positivo e no bem, o foco no amor e na caridade é o caminho da absorção das boas energias. E a energia que nos envolverá, depende, em cada instante, da nossa atitude mental e da aplicação prática em nossa vida, das virtudes, seja onde estivermos.
( by Flávio Luiz Gomes Bastos -  Psicanalista Clínico e Reencarnacionista).