Google+ Followers

sábado, 9 de abril de 2011

A arte de ser feliz


Para ser feliz, aprenda a rir de si mesmo. Isso vai te tornar uma pessoa mais agradável para os que te cercam e vai te ensinar a ver a vida com menos seriedade.

Rir não é só o melhor remédio, é um tratamento completo. Ria, ria sempre. 

Aprenda que os outros não são responsáveis pelos seus problemas; eles podem até oferecer um ombro, mas cada qual carrega a sua cruz; porém saiba que quem te oferece um ombro é o tesouro mais precioso que você poderia encontrar.

Aprenda também que você não é responsável pelos problemas alheios. Oferecer a mão, o ombro, o sorriso fará de você um bom samaritano e o melhor dos amigos, mas jamais você poderá viver o que não te pertence. Cada um de nós deve viver e conviver com as conseqüências dos próprios atos.

Aprenda que decepções e mágoas fazem parte do caminho, como ervas daninhas. Ninguém está livre delas e de uma maneira geral chegam quando mais precisamos ver e sentir as flores. Porém quando conseguimos vencê-las o campo fica muito mais bonito de se olhar e sentir.

As rosas não são menos belas por possuírem espinhos. Portanto, não exija de si mesmo e nem dos outros a perfeição. Seja apenas o que você é, seja verdadeiro. Os que te amarem além da sua aparência serão aqueles pelos quais sua vida vai valer a pena. 
Seja apenas isso: feliz! Com arte, com cor, com muito bom humor.  As coisas simples são normalmente as que pensamos por último, mas geralmente são a base de uma vida equilibrada.  (By Letícia Thompson)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

A Dança dos Anjos


Uma noite olhei para o céu e vi as estrelas a brilhar. Mas tinham um brilho triste... Nessa altura, surge um anjo vindo de uma constelação. Esse anjo chorava. Perguntei-lhe a razão e ele disse-me que protegia alguém que nem olhava para o céu... Olhei melhor e reparei em milhões de anjos que lá se encontravam. Todos tão lindos... Tão mágicos... Tão misteriosamente frágeis... Todos com cabelos de prata, olhos de safira e asas de cristal... Majestosos, imponentes, mas doces, meigos e carentes. Os seus olhares penetrantes penetraram minha alma, percorreram meu corpo, elevaram a minha mente. Lindos... Eles estavam lindos... Mas sós... Eles estavam tão sós... O que fazer para dar um pouco de felicidade a seres tão especiais, que pareciam ter toda a felicidade existente? Um olhar, um sorriso, um aceno, um obrigado... Só isso?! Perguntei. Sim, é o que é preciso para que os anjos dancem e voltem a viver e brilhar no seu esplendor... Nessa altura sorri, olhei, acenei, agradeci e vi a festa dos anjos nas estrelas... Um baile de magia em tons de prata... Dancei com todos os anjos... 

A partir dessa noite, olho para o céu e procuro os anjos... Anjos... Almas lindas, meigas, suaves e deliciosamente puras... Anjos... Aqueles olhares sorridentes de quem apenas quer um carinho... Anjos... Aqueles que temos no céu e na terra... Anjos... Amigos... Esses seres que estão sempre por perto... Anjos... Belos anjos...

(Autor desconhecido)