Google+ Followers

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Meus 50.

Gente...dormi com 4.9  e acordei  5.0... ainda não caiu a ficha...sera que estou na meia idade? Acho que como os adolescentes estou entrando na passagem...risos... acordei de manhã, cara toda amarrotada e feia, porque todo mundo fica feio com 50 anos quando acorda, olhei minha imagem no espelho, com cara de poucos amigos, pensei... como será ter 50anos??? e murmurei para acreditar no que dizia..."Porra, não é que você chegou ate aqui... Meirinha você já viveu um bucadinho hein??? Você e a Barbie ...que mulher de luzes é aquela que vejo refletida no  espelho???...não posso acreditar que sou eu...

5.0 anos...como a Barbie...linda...e velha...Dizem que o conceito de velhice modificou-se e a forma com que se encara hoje a idade das pessoas acho que falam isto pelo fato de que a maioria dos jovens com cerca de trinta anos, atualmente, ainda vive com os pais, alguns ainda estão na universidade e grande parte sequer considera a hipótese de casar e constituir família...acho que isto é balela...50 anos hoje é os mesmos 50 anos de antigamente...
  
Se o conceito de velhice mudou, a juventude dura mais tempo...as rugas também deveriam demorar mais...  ter cinqüenta anos não vai alterar a minha maneira de ver a vida,  de viver de bem com a vida, não vai limitar a trajetória dos meus projetos pessoais e não vai diminuir a minha capacidade de me reinventar a cada tombo ou decepção. Ao contrário, acho que vai me permitir a liberdade de me opor ao que eu não concordo, ser veemente com o que eu acredito e  algumas outras coisas - como perder a memória para o que e para quem não vale a pena.


Vou comemorar...viva!!!

Tempo



"O tempo não serve só para medir a idade das pessoas ou das coisas, para situar os acontecimentos e mapear nossas memórias. O tempo é um caminho que enquanto vivos percorremos com a nossa existência. E o que importa não é quanto dele passou por nós, mas o quanto de nós passou por ele".
(Texto:Kevin Arnold - Imagem:Internet)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Quando me amei de verdade...



Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!
Charles Chaplin